sábado, 13 de dezembro de 2008

A suposta falta de produtividade

Que é real, assim ditam os números. Mas na verdade o que é a falta de produtividade portuguesa?Ela é induzida deliberadamente, às vezes até mesmo, sob forma criminosa. Junte-se também alguma incompetência ingénua.
Tem tudo a ver com as decisões da gestão com orientações políticas, mais ou menos, orientadas. Porque mesmo do alto da elite portuguesa e recordo que Portugal é uma filial de outros interesses, como amadores, cometem erros de palmatória. Não é por acaso que Portugal é referenciado no estrangeiro como um país de meia-dúzia de cagaréus que mal sabem ler e escrever. Não sou eu que o digo é a realidade, infelizmente.

Começando pelos serviços públicos, os quais, estão estigmatizados como lentos, incompetentes e excessivamente burocratizados. Isto é uma das maiores falácias que existem.
Foram tornados assim por quem gere, de maneira propositada.
Hoje cada vez mais famílias inscrevem os seus filhos em colégios privados. Na mesma rua o utente/cliente tem à sua disposição o centro de saúde e a clínica privada.
Degradou-se deliberadamente, e só como exemplo, a Escola Pública e o Serviço Nacional de Saúde. Empurrando os clientes para determinada matriz.
Se estes tipos de negócio são rentáveis é porque o Estado se imiscuiu da sua tarefa. Se estas novas empresas nascem como cogumelos, é porque o negócio é rentável, só assim sobreviveriam. Quando o Estado, que somos todos nós, cobra coercivamente e antecipadamente o lucro numa lógica de que mais pode mais paga. Porque é que para o Estado não é rentável? É só prejuízo? Porque quem gere estas áreas, não está de boa fé. Mais do que incompetência, são negócios oferecidos.

Existem em todo o lado calões, é um facto. Mas com um sistema de gestão organizado e eficiente, todo o trabalhador pode produzir e contribuir. Por exemplo, outra falácia, o português não gosta de trabalhar. Pergunto quem gosta de trabalhar? Ninguém. As pessoas trabalham porque têm necessidades, está mais que estudado pela sociologia e pela psicologia do trabalho. Se juntarmos o factor de motivação, em que, a riqueza gerada seja distribuida por todos os elementos, as pessoas trabalharão mais e melhor. Isto é uma verdade de clareza meridiana.
O português (pessoalmente abomino estas coisas de nacionalidades) inserido em países com sistemas organizativos mais desenvolvidos é tão eficiente como o local de lá. É tudo uma questão de boa gestão.

Nas empresas em geral, sobe-se não pelo mérito, mas sim, pela sabujice e pelo engraxismo. Ao que já está instalado e que não sabe trabalhar, tem que se rodear de pessoas amén. Com o tempo perde a noção de realidade e emana teorias e principios de actuação sem qualquer aplicabilidade práctica. Quem lhes rodeia e sem coragem de dizer não aceitam e evangelizam os restantes. Como não têm capacidade de decisão refugiam-se em intermináveis reuniões. Adquirindo o pretexto que têm uma vida altamente stressante e cheia de desafios. São a mulher moderna que bebe Actimel e tem uma vida super-ocupada. Coitada, nem sabe o que é a sua essência!

Outro exemplo de produtividade do nosso (des)governo que é benevolente e amigo para alguns sectores económicos foi no início deste ano quando sub-reptíciamente baixou (já sabendo da crise que aí viria) a taxa dos certificados de aforro, em contra-ciclo pois os juros estavam a subir, e logo de seguida os bancos criaram produtos que tinham a senha mágica - Aforro. Foram e continuam a ser milhões e milhões de Euros que saíram do Estado direitinhos para a banca. E foram os portugueses, manipulados por estes seres pensantes, que fizeram o transporte do dinheiro, resgatando as suas parcas poupanças aos balcões dos correios e as entregaram aos bancos.

Mas de que padece este povo? Até parece que está embruxado. Teima em acordar. Mas como acordar, se ele foi feito zombie. Será a molécula do peixe?
Não ele deixou-se, apenas, porque simplesmente não sabe e nem se esforça por saber...



Publicado em simultâneo no blog Cheira-me a Revolução!

5 comentários:

mugabe disse...

Concordo em absoluto com tudo o que dizes !!!

Abraço!

Ludo Rex disse...

Zorze,
O povo português caiu numa cilada do grande capital há muito tempo, e está embruxado como tu bem o dizes.
Urge que continuemos a avisar e a acordar a malta, urge…
Bom artigo compañero.
Forte Abraço

poesianopopular disse...

Zorze
Por incrível que paraça, isto ainda não está suficiente mal para que a maioria sinta a necessidade de unir-se em torno da causa comum.
Abraço

casadegentedoida disse...

Zorze, onde é que já vi este filme? Só um aparte: quando te referiste que nas empresas sobe-se não pelo mérito, mas sim pela sabujice e pelo engraxismo, não te esqueceste de referir mais nada? "Ajoelhou tem que rezar".
Abraços do casadegentedoida.

mescalero disse...

caro zorze,

este é um tema que tenho abordado no que tenho escrito, quer na vertente do trabalho como na política. acho que é um daqueles baluartes do pensamento dominante que precisa de ser desconstruído. é uma mensagem que passa muito bem, a da necessidade de sermos produtivos e eficientes e camufla a verdadeira questão que é: produtividade para quê e para quem?

deixo esta questão: se no mundo primitivo, nas denominadas primeiras sociedades de abundância, com a parca técnica e ciência desenvolvida, se trabalhava cerca de 4 horas por dia e o resto era passado no ócio e em qualquer actividade que proporcionasse prazer e satisfação, como é que se justifica o mundo moderno, as longas jornadas de trabalho, a miséria?

cumps