quinta-feira, 29 de maio de 2008

Coisas Imaginárias

Das várias definições de ficção escolhi esta da Enciclopédia Larousse: "Acto ou efeito de simular, fingimento; criação do imaginário, aquilo que pertence à imaginação, ao irreal; fantasia, invenção". Isto para chegarmos à ideia que vivemos num mundo completamente ficcionado, refiro-me aos preços de bens materias e não materiais. A Lei da oferta e da procura serviria na sua génese para equilibrar preços e produções consoante as variáveis da oferta e procura. A explicação lógica tem a melhor das intenções, logo, viveríamos num mundo mais justo e com o preço mais justo. Só que a natureza humana consegue desvirtuar em absoluto este sistema, que, poderia resultar numa comunidade de seres éticos e com respeito pelo o próximo. Mas como o nosso estado evolutivo ainda é a selva, acontece exactamente o contrário.
º
Vejamos, na nossa sociedade, uma pessoa que fala sozinha, que diz que vê coisas que mais ninguém vê, diz-se logo que está maluquinho ou não é muito certo da cabeça. Vamos agora supôr a seguinte situação:
"Um homem chega a casa depois da sua jornada de trabalho e a sua mulher pergunta-lhe como correu o seu dia, ao qual ele responde - Olha eu hoje comprei uma produção de trigo que ainda não existe e vendi 2 toneladas de café da Indonésia que ainda não foi cultivada e tenho três petroleiros parados no oceano à espera que o preço suba mais um pouco. A mulher diz-lhe - Querido voltaste a esquecer-te de tomar o Prozac outra vez!" (esta última sou eu a brincar).
Ou seja, o mercado de capitais, é o irreal, aquilo que não existe, a ficção, só que, revestido de seriedade, credibilidade porque se dá valor a isso. Todos os dias úteis se transfere muito, muito dinheiro de uns para outros. É tudo virtual. Ninguém vê a cor do dinheiro. Tudo contabilisticamente guardado em suportes informáticos.
Há muitos anos na América alguns financeiros propuseram a agricultores que lhe davam X pela sua próxima produção. O agricultor que dependia do factor climatérico para ganhar mais ou menos, aceitava, porque assim, tinha um rendimento certo. Então se tinha um ano muito bom e o lucro da sua produção era X+Y ele ficava com o X contratado com o financeiro e este ficava com o Y. Se fosse ao contrário ganhava na mesma o X e ficava o financeiro com o prejuízo. Assim foram os primódios dos futuros. Hoje é muito mais complexo, mas, a base é igual.
Que o diga o Société Générale (banco francês) que no ano passado - por intermédio de um seu funcionário - perdeu muitos milhões de euros, ou seja, passaram para outras mãos. Os responsáveis logo se descartaram de que nada sabiam, nem os auditores, ninguém sabia de nada. Descredibilizaram o rapaz dizendo que ele não era muito certo e tal, técnica habitual. Só que, quando ganhava dinheiro para o banco estava tudo bem.
Os preços das acções das empresas não reflectem o real valor das mesmas. Especula-se, espalham-se boatos, são dadas informações a conta-gotas, tudo, para manipular os preços, e claro está, ganhar dinheiro. Há conta de quem ? Não interessa.
Nos luxuosos restaurantes de Manhattan decide-se o fecho de fábricas no outro lado do mundo. Importa lá se há pessoas que deram quase uma vida inteira de trabalho para a empresa. Tudo está no deve e haver.
Veja-se por exemplo o caso da Galp no Brasil. Estratégicamente sai a informação que se descobriu mais um poço de petróleo e logo as acções disparam. Quando já têem a informação toda, compassam-na no tempo para subir o valor das acções a seu bel-prazer.

º
Diamantes, outro exemplo, de manipulação artificial de preços. Sei através de um familiar que trabalhou muitos anos numa Companhia Belga na Lunda Norte em Angola que diamantes há muitos. Mesmo muitos. E que depois da independência também serviu para financiar a máquina de guerra da UNITA. Nos pescoços de muitas madames brazonadas e nas colecções de jóias de casas reais está uma pequena percentagem dos diamantes prospectados e lapidados. Existe um monopólio de algumas Companhias Belgas e Holandesas que compram tudo o que aparece e guardam, muito bem guardadinho em Antuérpia e Amsterdão (do que se sabe) muitos diamantes em bruto vindos de África, de zonas de guerra, alguns ainda vêem com sangue de alguém que foi para o Extrafísico. Mas, facto, é que o diamante, é uma pedra preciosa, uma pedra rara e valiosa. Morre gente em guerras inócuas, gente que fica estropiada e crianças que ficam sem Pais. Mas o Preço é que interessa. Azar de quem foi apanhado no meio. Interesses mais relevantes se impõem. O Filme "Blood Diamonds" feito para o mass-market e tirando as Loves Stories que adornam habitualmente estes produtos, está muito bom e mostra bem a questão dos diamantes em África.

º
A questão do sub-prime americano outra ficção imaginária da sobre-valorização dos imóveis, serve de desculpa para tudo, quando se fala de que isto está mau. Lá muita gente não consegue pagar os empréstimos, depois os bancos executam as hipotecas, no final as habitações valem muito menos do que está escriturado e o valor que lhes dão nem dá para limpar o rabo.
º
Por fim a Galp. Todos batem na Galp nos dias de hoje. Entre as petrolíferas a Galp é o elo mais fraco, todos nós sabemos. Mas volto à questão ética. Obviamente que esta situação tem suporte legal e admnistrativo. Mas moral e éticamente como é possível a mesma empresa que compra o petróleo no mesmo fornecedor, refina nas mesmas instalações, tem preços muito diferentes em Elvas e Badajoz. É uma questão a pensar. O nosso (des)governo diz que não tem margem orçamental para baixar o ISP mas não tem qualquer problema em estar a ganhar mais receita com o aumento dos preços.
º
Qualquer semelhança com a realidade deste post é pura coincidência.

8 comentários:

Zorze disse...

Caro Nicolaias, primeiro teria que haver algum tipo de organização. Se não seria como habitualmente, vemos muito barulho, para no fim acabar tudo na mesma.

Um abraço,
Zorze

poesianopopular disse...

Amigo Zorze
Desculpe o termo, mas hoje saltou-lhe a tampa!
Deve haver muita gente a gritar, porque o amigo pôs o dedo mesmo em cima das grandes feridas que afetam a humanidade, é uma pena que nem toda a gente tenha capacidade para, poder perceber o que está por detraz deste véu que o amigo tão bem levantou, felicito-o por isso, a luta continua!
Abraço

casadegentedoida disse...

Amigo Zorze, um texto muito bom senão mesmo excelente, com uma analise muito bem cuidada e susinta da realidade econômica do mundo actual que já vem de longe e vai continuar, pois hoje é assim que são feitos inumeros negócios a nível mundial. A lei da oferta e da procura, o petroleo com o ouro negro, os cereais, é tudo usado na especulação, na criação de lucros astronomicos. Ninguem liga ao Povo, ninguem trabalha para o Povo, mas depois querem os nossos votos para irem para o poleiro. É uma realidade nua e crua que tão bem conhecemos. Enfim é a vida actual que temos (parece que estou a resignar-me mas não) alguma coisa vai acontecer e espero estar cá para ver.
Que a "Força" esteja contigo.

Miss Piggy disse...

Meu amigo já no tempo da revolução industrial existia essa forma de pensar, pois já o senhor Henry Ford tinha prazer de pagar aos seus trabalhadores de forma a que eles pudessem comprar os seus carros, e as pessoas ingénuas achavam que era bom, bom até era, mas de certeza que não era para elas. Podes dizer mas assim tinham um carro, pois mas o senhor estava-se a borrifar para isso ele queria era os seus carros vendidos e quando os trabalhadores por qualquer motivo baixavam a sua rentabilidade ele não pensava que tinham sido eles que o ajudaram atingir aquelas vendas, despedia-os sem qualquer compaixão.
A especulação essa vai existir sempre, em qualquer canto do mundo, não interessa quem se possa prejudicar,por exemplo no caso de empresas a concorrência não se faz só com publicidade e competência de preços, há que descobrir os "podres" para poder-se ganhar vantagem.
O problema mais grave é que isto não acontece só com as empresas mas também há pessoas que não se importam de fazer o impossível para atingir os seus objectivos, sem carácter, que pisam e espezinham qualquer um sem pensar nas consequências.

Beijinhossss e abracinhosss

Nicolaias disse...

Verdadeiramente, cerca de 90% do dinheiro em circulação não existe devido aos créditos bancários: assim sendo, a bolha inflaccionária só tende a explodir.
Podemos ver que isso está prestes a acontecer quando descobrimos que o ouro já ultrapassou a faixa dos US$900,00 (hoje está abaixo dessa faixa, mas acredito que por pouco tempo) e o petróleo está acima dos US$100,00 (tendo já estado acima dos US$130,00).
"Para acabar com uma grande recessão, só uma grande guerra." - por mais que digam que a recessão ainda não existe, apesar de já a vivermos há mais de 3 anos.

Em relação a um movimento organizado, claro que deveriamos saber para onde iríamos. Só que essa tem sido o grande tema de discussão entre aqueles que procuram sair para a rua e mexer as massas: qual o sistema civilizacional alternativo que deverá surgir após a queda do capitalismo e da Nova Ordem Mundial?
Ora, travar o processo da N.O.M. é como um homem tentar parar um comboio em alta velocidade somente com a força dos braços.
Ainda assim, apesar desta analogia ser a mesma feita pelas resistências na 2a Guerra Mundial, isto não as impediu de sairem para a rua e lutar contra o gigante.
Não sei se viu o filme "O Pianista" e se o viu não sei o viu na mesma prespéctiva que eu o vi, mas se houve coisa que me meteu confusão naquele filme foi a postura cobarde do personagem a espreitar pela janela a resistência dos seus amigos no meio das ruas e ele, simplemente, não fazer nada, passar fome, esconder-se, colocando a vida de outras pessoas em risco para que ele vivesse e ele nada fazendo contra o sistema que o estava a matar fisica e espiritualmente.
Sinceramente (vi este filme há bem pouco tempo) compreendi mais uma vez que estou fazendo o que é certo, organizando palestras em vários locais, esclarecendo e despertando o povo.
Já existem imensas pessoas a estudar o que nós já sabemos, a divulgar o que têm vindo a descobrir e a despertar outras pessoas, somente porque assistiram às minhas palestras.
Em pouco tempo teremos criado um movimento mais organizado, semelhante ao que já existe nos EUA, na Holanda, na Alemanha, em Inglaterra, etc., agindo directamente nas ruas contra o sistema globalizante de tirania e alienação, procurando novas maneiras civilizacionais de vivermos.

Universo queira que nossos esforços vivifiquem a vida de nossos filhos e netos.

Marreta disse...

Caro Zorze, disseste (ou melhor escreveste) tudo e não deixaste nada para os comentadores.`
Está uma dissecação perfeita e a semelhança com a realidade não é mesmo pura coincidência.
Saudações do Marreta.

Diogo disse...

Isto é o que os «especialistas» chamam a nova economia: nada a circular por coisa nenhuma e a fome a alastrar por todo o lado.

LeniB disse...

Excelente texto. Reflecte bem o que se passa e o que passa ao lado de muita gente.
A última parte, dos preços da dita serem diferentes aqui mesmo ao lado, foi algo que sempre me incomodou, mas que me transcende.
Gostei de andar por aqui...voltarei.
bjs