terça-feira, 19 de abril de 2011

Beautiful World - Voando...


E se nós voassemos?
Sentir o ar a bater na cara, num voo picado, sobre um lago
Atormentando as aves que por lá relaxavam
Com um olho nas crias e outro nos predadores

Mas que bom seria! Estaríamos num instante, num lado qualquer
Voando...

Enquanto as nossas vidas voam e a dos outros
enquanto voamos em carambolas nos casulos
na Matrix das cabeçadas na parede, repetidas vezes sem conta
onde cada um, constrói o seu muro das lamentações

Afinal,
E ao contrário do que tudo parecia
Em boa verdade, temos a capacidade de voar
Na mente, que nos mente
Trapaça e macaca

Afinal,
Já podíamos voar...

Vida após vida
é muito difícil
a libertação das coleiras de pensamento

Cada um molda a sua faca
que mutila a sua própria asa

Somos mais do que livres
Somos nós, cada um em si
Com mais estrelas do que o céu
Somos soberbos
Como somos terríveis, para nós próprios e para a demasia

Somos também, o que somos hoje
O presente
Talvez envenenado ou antídoto,

A cor da pele, confunde-nos
A condição social, confunde-nos

Amanhã morrerão, milhares de crianças de fome
quando uma buchazita, faria toda a diferença
Ao mesmo tempo que se enchem caixotes do lixo, porque não me apetece

O mundo perfeito é a sua contradição baseado no conflito
Na savana, no mato e na lama
Os predadores não têm lancheiras térmicas,
Nem arcas frigoríficas para acondicionar bocados de cadáveres
Caçar todos os dias é um imperativo de sobrevivência

Por isso as presas, correm mais rápido, saltam mais alto
Quando amanhece, comemoram o nascer do dia,
com saltos, com sons
É como começar do zero...
Tal como muita gente o faz em certas alturas da vida,
Como se fosse o único, não há único, somos biliões
Biliões de únicos

Os há, como exemplos a seguir
Mas se quero voar livre, não posso seguir exemplos
A criatura exemplo teve a sua experiência,
Cada um de nós é livre de ter a sua, imagine-se...
A liberdade de falhar...

De voar, sem sentido...
Com o sentido de não ter que corresponder a ninguém, excepto...
À minha vontade, de ser e de estar bem, desamarrado das grilhetas que nos condicionam a partir do momento em que nascemos.

Não sendo egoísta, mas daí, conhecer-se a si e a partir desse ponto abrir-se ao mundo a que lhe foi destinado nascer.

E mesmo assim, tentamos voar com coisas, que cada um carrega...



Beautiful World - In Existence

3 comentários:

Soontir Fel disse...

Antes de voar, saltar, antes de saltar andar e antes de andar gatinhar... Em termos conscienciais, a raça humana ainda está na fase do gatinhanço, oralmente nos balbuceios próprios dum refém nascido rodeado de imbecis... Voar é bom, meu amigo, mas só será tudo o que descreves se tiver sido conquistado a pulso - pergunta a qualquer pardal que já tenha nascido em berço de oiro e ele explica-te... :)

Aldo Luiz disse...

Grande Zorze, grande poeta. Emocionou-me...

"Cada um molda a sua faca
que mutila a sua própria asa

Andas mesmo iluminado... E só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao amor incondicional. A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal e intransferível.

Sou grato.

Pata Negra disse...

Eu já nem queria tanto, ter asas para voar! Eu já só queira ter um bico para não ter dores de dentes!
Um abraço cá de cima