quarta-feira, 12 de março de 2008

Organização

Recordo-me quando era estudante universitário tive no 3ºano uma cadeira que dava pelo nome de Organização e Gestão de Empresas. Havia um professor regente e dois ou três professores prácticos. Nessa altura frequentava as aulas à noite e trabalhava durante o dia. As aulas com o professor regente eram mais teóricas, mais abragentes. Era um pouco incomodativo estar numa sala que dava para cento e tal alunos e estarem presentes menos de meia dúzia de alunos. Chamavam-lhe velho maluco, que, as aulas dele não serviam para nada. Ficava admirado, pois, além de serem as minhas preferidas, ele ensinava - com a sua grande experiência de vida - tanto a parte teórica como práctica da Gestão. Porque é que empresas dão lucros e outras vão à falência, pequenos comércios, de uma maneira fluida, entendível. Foi um dos meus professores preferidos, houve outros, mas este marcou. Quanto às aulas prácticas com os professores júniores enchiam, onde se calcuvam fórmulazinhas e coisinhas do género. Dizia eu que bastava entender a fórmula para introduzi-la no computador. Para quê decorá-las todas - isso é que vai sair nos exames - diziam muito preocupados. A classificação era da seguinte forma: 8 valores para baixo ficava logo chumbado, entre 8 e 12 dava acesso ao exame final, acima de 12 ficava-se dispensado de exame e com a cadeira feita. Talvez, penso eu, o professor regente conseguiu decorar os poucos alunos que frequentavam as suas aulas e resolveu premiá-los. Ainda bem, pois tive 14 e fiquei com a cadeira feita. Pensei na altura, formam-se fornadas de jovens e a maior parte passa ao lado do verdadeiro conteúdo de seus cursos.
º
Isto para chegarmos ao grande problema do nosso País. A Organização.
Trabalhamos mais horas e produzimos menos que os nossos congéneres europeus. Na empresa onde trabalho vejo e percebo como isso acontece. A desorganização começa de cima, dando logo o exemplo, e depois desce por aí abaixo. Atenção que existem excepções, mas em termos médios, o português é um verdadeiro artista a mostrar que trabalha muito não trabalhando nada. Quem é que não tem nas suas empresas, colegas que andam sempre com um papel na mão muito atarefados e que no fim do dia se formos ver não há nada de palpável no seu dia de trabalho. E depois têm que fazer horas extras para mostrarem que trabalham muito e ficam até muito tarde. Normalmente andam sempre ao pé dos chefes - são os trabalhadores sabujos.
A desorganização compromete o desenvolvimento de um País, aumenta as desigualdades sociais, deixa a corrupção circular livremente. Veja-se que temos os ordenados mais baixos da europa ocidental e os maiores nos gestores de topo.
º
Daí chegamos aos sistemas de avaliação. O português, que organização não é característica dominante da sua genética vai avaliar outros. Se ele mal sabe o que anda a fazer que capacidade tem para avaliar?
Quanto aos professores ainda mais se difícil se torna, pois, não têm uma presença hierárquica permanente. Como é que vão avaliá-los? Com duas ou três entrevistas? Com a taxa de sucesso dos seus alunos? E se apanhar uma turma com mais dificuldades de aprendizagem?
Sou da opinião que deve haver avaliações mas com métodos claros, quantitativos orientados para as respectivas áreas profissionais. Não se deslumbrarem com sistemas informáticos de avaliação de recursos humanos e misturarem tudo. Escolas e hospitais não são empresas cujo o primeiro objectivo não deveria ser o lucro.
º
Portanto e continuo sempre a bater na mesma tecla - posso estar errado. O português ou qualquer outro integrado num sistema organizado é tão produtivo como os nacionais dos países desenvolvidos. Foco principalmente os países nórdicos - Noruega, Suécia, Filândia e Dinamarca. Países produtivos, mas, em que o Estado tem uma relevância efectiva nas suas funções sociais.
º
Em conversa com o colega e amigo Olivar, sugeria-me a composição perfeita para um estabelecimento comercial, que só em Portugal poderia ser considerado competente. Seria a verdadeira Casa dos Horrores.
Zeca Diabo, homem de má tempêra (já reformado à muitos anos), como gerente. O Cabeça de Vila Franca como sub-gerente, como admnistrativa principal a Piscinas, ela é mariposa, bruços, costas sempre com um papel na mão e muito stressada.

8 comentários:

poesianopopular disse...

É o velho ditado, "Por mais que te esforçes o teu valor depende sempre da capacidade, de quem te avalia"
O mal da nossa Terra não são os trabalhadores, mas sim os gestores!
Abraço
José Manangão

Diogo disse...

Isto de tentarem plasmar as cartilhas de gestão (que mudam de seis em seis meses) aprendidas na escola a todos os aspectos da vida é absurdo. Muitos aspectos de uma organização não podem, muito simplesmente, seguir uma qualquer ortodoxia de um guru.

Papiscuds disse...

Parece-me que a tua avaliação não foi o esperado, Mestre Zorze. Eu esta ainda não vi mas já sei o que me espera, depois destas mudanças não era de esperar outra coisa. Mas é a gestão que temos e teremos. Já pensaste em usar umas roupas mais femininas? decotes? saias curtas? fio dental a mostra? a indicar o caminho? se calhar eras capaz de subir a tua pontuação e ser um verdadeiro artista. Vamos pensar nisto.
Abraços do Arq.

Zorze disse...

Caro Papiscuds, antes pelo contrário. Desde que mudei de poiso as minhas avaliações têm sempre sido a subir. Esta ano tive a maior, e, não tenho os joelhos rasgados nem dores de coluna. Conheces-me e sabes bem que não ligo a estas coisas. Deêm-me o que quiserem, estou-me marimbando. Agora à outras pessoas que levam isto muito a sério, e isso é outra conversa ...
No post dou mais enfoque a des(organização) do País. E também temos a Casa dos Horrores, com dois colegas que tu conheces.

papiscuds disse...

Caro Zorze, interrogo-me sobre a seguinte situação: que capacidades de avaliação tem uma pessoa que p/ subir na carreira andou a fazer broches ao(s) Dr.(s)? esteve em hoteis e pensões c/ o(os) Dr.(s) e dizia frequentar congressos, workshops? chupava quem? que capacidade de avaliação tem um gajo que não consegue ver porque os Cornos são tão grandes, tão grandes, que tiveram que lhe arranjar instalações novas? de que adianta? que capacidades tem aquele gajo que anda lá só atrás das gajas, só p/ cobri-las, que se deixou enredar por uma tipa que é mais puta que as putas da Av. da Liberdade? até têm filhos c/ elas.
E aquela besta que só vê o quer porque tem de impresionar o filho da p... que manda nele? Neste tipo de organização somos os melhores, nunca tantos foram fodidos por tão poucos.
Nos sitios onde trabalhei haviam sempre aqueles engraxadores(as) de merda, que passavam o dia c/ um papel na mão a dizer que estavam sempre ocupados. Como? agarrados ao telefone a ligar pra mãe, pró pai, pras putas, prós cornos, iam as compras as grandes superficies durante o expediente, ao Mac, a feira da ladra, enfiam-se nos gabinetes a fingir que trabalham e estão c/ portateis a ver pornografia ou mandar recados, recebem visitas (clientes, dizem) e estão lá a foder c/ elas(es). Que capacidades ele possuem? e aquele gajo que dizia que estava a visitar clientes e qdo era preciso chama-lo, ligava-se e ele dizia que já ia, era só passar uma agua pela cara (?????)(o gajo tava em casa, durante o dia, e telefonava ao Dr. dizendo que tava c/ clientes), grande trabalhador(foda-se), levava o fato de treino debaixo da roupa, meias de desporto dentro dos sapatos finos. Como é possivel? Isto é que é Gestão? estes é que são os Gestores deste País? p/ subir é preciso fazer (sem receber) horas extraordinarias.
Tudo gira a volta de um objetivo: o lucro fácil, a vida fácil, o enganar o próximo, o foder o(a) próximo(a), o ganhar mais no fim do mês sem fazer muito, e ter quem faça o serviço por eles.
Isto é Gestão: faças o que eu mando mas não faças o que eu faço (para não fazer nada estou cá eu).
Mas há excepções, são poucos mas há e assim vamos andando atrás da carneirada. Vou ficar por aqui.
Abraços do Arq.

Soontir Fel disse...

Caro Zorze, e de uma forma curiosamente dejá-vu-ista (acho que acabei de inventar uma palavra), caro Papiscuds, o sistema organizacional é naturalmente imperfeito num país em que a Meritocracia é tão subjectiva com uma discussão sobre que côr realmente tem o mar: azul-marinho ou verde-água (para registo futuro - não tem côr nenhuma, é transparente, na sua maior parte).
Neste nosso jardinzinho de incoerências e idiosincrasias, podemos queixar-nos o quanto quisermos, podemos balir como as ovelhinhas que somos, mas não podemos de facto mudar os pensares dos "líderes", dos "grandes visionários" que andam a correr a imitar grandes sistemas de avaliações "como se anda a fazer agora lá fora", ou seja, ao sabor de potências estrangeiras com realidades sociais e económicas dramaticamente diferentes e desajustadas das nossas.
Avaliações de Desempenho são sempre divertidas para os avaliadores: que desculpa arranjarão eles este ano para não te promover?
E melhor, que cara farás tu quando eles ta disserem?
Horas e horas de diversão garantidas :)
Abraço forte, amigos, que só nós é que sabemos o que isto custa.

papiscuds disse...

Como o amigo ssontir fel disse e muito bem no seu comentário (por vezes invejo-lhe as capacidades linguísticas, as suas capacidades literárias) realmente quem somos nós para mudarmos os pensares dos "líderes", dos "grandes visionários" que não passam de "macacos de imitação"? mas V. Exª. deve-se interrogar sobre as capacidades daquelas "bestas" (atenção que não são "burros", este é um animal inteligente) que executam as avaliações, esses sim é que devem ser questionados.
Abraços do Arq.
"Em Portugal nada se cria, tudo se copia, e muitas vezes mal".

OLIVAR disse...

Isto vem a propósito do ambiente de trabalho de muitos de nós, ora o facto desses primatas existirem deve-se ao facto de algumas chefias acreditarem no póte de ouro no fim do arco-iris!!! Ou seja, após um grande "esforço", muitas vezes, um ganda BRÓXE, entenda-se, trabalho em vão, que será sempre recompensado, se não neste mundo, então será no outro!!! Aí está uma grande mentira, pois quem torto nasce, tarde ou nunca se endireita!! Caros amigos, não acreditem em coisas dificeis, pois são uma grande merda e só trazem dissabores, hum................