segunda-feira, 15 de agosto de 2011

O olho do cú


Um portal para o inferno, com os seus ventos e marés, decerto pode ser coisa certa. Nas "Evas" de quatro em forma de coraçãozinho a ganhar teias de aranha, é um pecado.
Na verdade é um portal para outras dimensões. Por exemplo, quando os primeiros ministros anunciam mais medidas de novas dificuldades, as pessoas sempre as podem mandar de volta para o meio de seus olhos de cús. Mete o IVA bem no meio do teu olho do cú, é o que se apraz de dizer.
Na verdade, parte da elite política é sexualmente disfuncional, tal como, mentalmente psicótica, por isso, estes bitaites que se atiram, são apenas, doces, pois alguns são muito gulosos e gostam muito, não de ver com o olho, mas de levar nele e com toda a força possível.

Há uns anos, alguém me dizia, que uma pessoa não é cega, sempre vê com o olho do cú, além do terceiro olho, o chakra frontal ou o olho psíquico, o olho do cú tem muito a dizer, principalmente, se tiver com gás.

O olho do cú, na filosofia da beleza, no que isso significa, pode ser revestida de belos peidolins, peidolas e rabiolas, conforme o grau de romance embutido na questão.

Resistir, é sempre uma tentação de 2+1=3, derivado ao facto de não existir fórmula matemática, que racionalize um belo olhito do cú, nomeadamente, se nos pisca, como nos chamando, numa espécie de chama, uma espécie de vem cá.

Já se diziam em latim muito, muito antigo: "En kum olhus de rabiolis muchos gusta in friccius regus anales de caralhuns".
E quando assim é, Kinder és bueno.

Em boa verdade, o olho do cú, está, morfologicamente feito para cagar, facto insofismável. Tal como esta crise, que é uma verdadeira crise do olho do cú, mesmo se pode dizer do cúzinho, pois só se vêem merdas. E cada vez da mais grossa e mal-cheirosa, mas as pessoas gostam.
É que se chama de merdum global, no fundo, tudo isto é uma grande merda globalizada e todos comem dela.

Já dizia, o saudoso arquitecto, todo lá dentro, com o seu creme "escorrega tudo" numa mão e com a outra dava uma palmadinhas - Ui ca bom!

Devagar, devagarzinho vão arrombando, estas gentes que em vez de se revoltarem, vão se torcendo para caber ainda mais. Será que quando sair pela garganta, se engasgam?
Uma questão com pouca gracia, mas com muita pertinácia.

1 comentário:

D Man disse...

Santa paciência!!!
É o que me vem à cabeça enquanto testemunho esta aparente crise existencial colectiva, de um povo que não se revolta. De um povo que não sente o ímpeto de agir, de se defender e de se expressar contra este verdadeiro saque?