domingo, 13 de junho de 2010

Filhinho de papai

Normalmente estes jovens brazonados (clica aqui para ver um conceito de brazonaria), têm um entendimento particular sobre a vida.
O mundo existe só para eles, as pessoas existem para lhes servir. Vestem a mesma roupa, gostam da mesma música e falam dos mesmos assuntos. São vazios em pensamento um pouco mais complexo.
Gostam de ser os mauzões na discoteca e no quarto do hotel se a coisa não correr de feição não têm problema em espancar a prostituta contratada.
Estacionam em 2ª fila e gostam de ocupar dois lugares nos parques de estacionamento.
Suas namoradas são objectos de exposição.
Também não compreendem que haja gente pobre, a ideia de pobre mete-lhes nojo. Mas gostam de assediar a empregada.
Quando sozinhos são covardes.
Quando crescem, com os cursos universitários tirados sempre com muito cambalacho pelo meio e na fase adulta vão ocupar as administrações de empresas públicas e privadas, sempre com base num bom sistema de cunhagem. É ver os sobrenomes... E imaginar estas mentalidades a gerirem com poder, pessoas que trabalham.

Gabriel o Pensador, com a letra "Retrato de um playboy" caracteriza de forma muito acintosa este tipo de bicho, que existe em todo o mundo, onde haja elitezinhas.

2 comentários:

Red Eagle disse...

Meu
Essa realidade é uma constante. E depois quando um Brazonado se arma em esperto e lhe partimos a tromba, no fim ainda temos problemas no tribunal...

Saudações Chaladas

Diogo disse...

Má habituada, esta pequenada. Dois murros no focinho na discoteca e quatro anos a trabalho precário a ganhar uma merda era uma excelente lição de vida.

Abraço